Setembro é o mês de conscientização do câncer de intestino

A doença é altamente curável, mas deve ser diagnosticada precocemente.

compartilhe

Para o ano de 2020, são esperados mais de 15 milhões de casos novos de câncer no mundo. A estimativa é da Organização Mundial da Saúde (OMS), que alerta para os tumores de maior incidência entre homens e mulheres. O câncer é a segunda maior causa de morte no Brasil, com 190 mil óbitos por ano. A estimativa do Instituto Nacional do Câncer (INCA) é de que 596 mil novos casos da doença surjam este ano. Destes, 34.280 casos serão somente de câncer de cólon e reto (intestino), cuja proporção será maior na região Sul (nos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul), onde a doença é a segunda e a terceira mais frequente entre homens e mulheres, respectivamente.

A maior incidência do câncer de cólon e reto na região Sul se deve ao fato de o modo de vida nos estados do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina ser mais semelhante ao de países desenvolvidos, em que há uma elevada prevalência de excesso de peso e obesidade, inatividade física, tabagismo, ingesta de bebida alcoólica e consumo de carnes processadas (salsicha, presunto, linguiça, carne seca etc.).

Este câncer pode ser evitado em 90 % dos casos, mas, com o passar dos anos, faz cada vez mais vítimas no Brasil. Em algumas regiões, sobretudo no Sudeste, ocupa o segundo lugar em incidências de óbito, no caso das mulheres, só perdendo para o câncer de mama.

Quase sempre, o CCR surge como um pólipo (lesão frequentemente benigna) que cresce na parede do intestino e que pode se tornar um câncer caso não seja diagnosticado e retirado a tempo. Retirando o pólipo podemos agir de forma precoce para prevenir o câncer.

É altamente curável. Mas, é preciso ressaltar que, apesar da sua incidência aumentar no mundo inteiro, infelizmente no Brasil ainda os índices de cura não ultrapassam 50%, pois a maioria dos doentes são tratados em fase já bastante avançada.

Além de identificar precocemente, existem meios de se prevenir esse câncer. Para isto, são necessárias modificações no estilo de vida, com a adoção de alguns hábitos saudáveis que podem fazer a diferença ao longo dos anos.

Quem corre o maior risco de desenvolver o câncer de intestino?

  • Pessoas com história familiar de pólipos, câncer colorretal ou ginecológico (mama, ovário e útero).
  • Pessoas com uma dieta pobre em fibras, rica em gordura, com grandes quantidades de conservas ou aditivos químicos.
  • Pessoas sedentárias, fumantes e obesos.
  • pessoas com síndromes genéticas.

Quais os sintomas?

Os sintomas mais comuns associados ao câncer de intestino são:

  • Sangue nas fezes.
  • Mudanças recentes nos hábitos intestinais.
  • Sensação de evacuação incompleta.
  • Cansaço ou fadiga inexplicável.
  • Dores abdominais.
  • Perda inesperada e repentina de peso.

Atenção, pois o câncer colorretal pode se desenvolver silenciosamente por um tempo, sem apresentar nenhum sintoma.

Quais os exames disponíveis?

Existem vários exames disponíveis para a investigação do câncer de intestino, alguns deles são:

  1. Exame retal digital: avalia a parte inferior do reto, detectando os pólipos e tumores. É rápido e indolor.
  2. Teste do sangue fecal oculto: detecta sangue oculto nas fezes, que pode ter origem em um pequeno pólipo ou câncer. (Um teste positivo de sangue oculto exige uma avaliação endoscópica completa do intestino).
  3. Retosigmoidoscopia: um exame endoscópico no segmento final do intestino (cólon signóide e reto), que pode ser realizado em consultório médico.
  4. Colonoscopia: todo o cólon pode ser visto, os pólipos podem ser removidos e o câncer assintomático detectado. (Para este exame é necessária a preparação do intestino).

Quem deve fazer os exames?

Homens e mulheres acima dos 50 anos.

  • Pessoas com pólipos e seus familiares.
  • Familiares de indivíduos que desenvolveram câncer colorretal ou ginecológico (mama, ovário e útero).
  • Pessoas com colite por muito tempo (colite ulcerativa e doença de Crohn).

Consulte o especialista para maiores detalhes.

Quando iniciar os exames?

A investigação do câncer do intestino deve começar a partir dos 50 anos. Para indivíduos com história familiar de câncer colorretal ou pólipos, a investigação deve se iniciar mais precocemente. A investigação é para todos, inclusive para pessoas que não apresentam sintomas. Converse com seu médico.

 Medidas para ajudar a prevenir o câncer de intestino:

  • Inclua muitas fibras na sua alimentação (de 25g a 30g por dia). Os alimentos ricos em fibras são: frutas frescas, vegetais e cereais integrais (aveia, farelo de trigo, grãos, etc.).
  • Prefira sempre os alimentos com fibras. Até em biscoitos e barras energéticas você pode encontrar opções que contêm fibras.
  • Coma cerca de duas xícaras e meia de frutas e verduras todos os dias.
  • Reduza a quantidade de gordura, principalmente as de origem animal (carne vermelha e queijos).
  • Evite o álcool, combata a obesidade e não fume.
  • Caso tenha mais de 50 anos, faça uma colonoscopia de screnning.
  • Caso você tenha algum dos sintomas descritos neste site, procure seu médico e faça os exames de prevenção. Quando detectado no começo as chances de sobrevivência são em torno de 90%.

Fonte: Setembro Verde - SOCIEDADE CATARINENSE DE COLOPROCTOLOGIA